Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 14 de junho de 2010

O que é Gestão do Conhecimento


A Gestão do Conhecimento é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas últimas décadas, tendo originado inúmeros trabalhos de investigação e investimentos cada vez mais significativos por parte das organizações que reconhecem a sua crescente importância. A investigação na área da gestão do conhecimento está ligada à várias disciplinas, entre as quais, a gestão estratégica, a teoria das organizações, os sistemas de informação, a gestão da tecnologia e inovação, o marketing, a economia, a psicologia, a sociologia, etc.(Georg van Krogh, 2002)

A principal preocupação dos investigadores na área da gestão do conhecimento reside na busca da melhoria de desempenho das organizações através de condições organizacionais favoráveis, processo de localização, extração, partilha e criação de conhecimento, assim como através das ferramentas e tecnologias de informação e comunicação.

De forma geral, acredita-se que uma boa prática de gestão do conhecimento influencia direta e indiretamente o bom desempenho organizacional e financeiro de uma organização.

Entre as diversas vantagens de uma boa gestão de conhecimento, reconhecem-se as seguintes:

· Vantagem competitiva em relação à concorrência


· Redução dos custos e tempo de produção e desenvolvimento de produtos


· Rápida comercialização de novos produtos


· Aumento do valor das ações


· Maximização do capital intelectual/ativos intelectuais


· Melhoria dos processos internos e maior fluidez nas operações


· Processos de tomada de decisões mais eficientes e melhores resultados


· Melhoria na coordenação de esforços entre unidades de negócios


· Melhoria da prestação de serviços (agilidade), da qualidade dos produtos e da qualidade do serviço cliente

Vários autores (Drucker, 1993; Davenport et al., 1996; Staples et al., 2001; Holsapple, 2008, etc.) afirmam que boas iniciativas e práticas de gestão do conhecimento contribuem para a sustentabilidade das vantagens competitivas das organizações que as empreendem.

A Gestão do conhecimento possui ainda o objetivo de controlar, facilitar o acesso e manter um gerenciamento integrado sobre as informações em seus diversos meios. Entende-se por conhecimento informação interpretada, ou seja, o que cada informação significa e que impactos no meio cada informação pode causar de modo que a informação possa ser utilizada para importantes ações e tomadas de decisões.

Sabendo como o meio reage às informações, pode-se antever as mudanças e se posicionar de forma a obter vantagens e ser bem sucedido nos objetivos a que se propõe. Em uma definição resumida pode-se dizer que Gestão do Conhecimento é um processo sistemático, articulado e intencional, apoiado na geração, codificação, disseminação e apropriação de conhecimentos, com o propósito de atingir a excelência organizacional.



domingo, 13 de junho de 2010

Para que serve Gestão de Conhecimento

A Gestão do conhecimento é usada para que se organize as informações para que se possa ser usada de uma maneira adequada. Uma pessoa pode ter um conhecimento amplo em algum tipo de informação mas se não souber organizar as coisas de uma maneira correta não adianta de nada. A Gestão do conhecimento serve justamente para isso, para que as empresas organizem suas ideias e coloquem em pratica. Mesmo tendo vários avanços tecnológicos faz-se necessário ter um conhecimento organizado.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Objetivos

A gestão do conhecimento tem como objetivo:

Traduzir os conhecimentos tácitos em explicito através de lições aprendidas, e outra ferramentas importantes para verificar a melhor forma de trabalhar o conhecimento do projeto como um todo e deixar essas informações disponíveis para todos.

Pode ser encarda como diversas ações gerenciais constantes e sistemáticas para facilitar de criação, registro e compartilhamento do conhecimento nas organizações. Conforme Alvarenga neto (2005), gestão do conhecimento deve ser entendida como gestão da organização na era do conhecimento. Segundo ele as empresas não gerenciam o próprio conhecimento, o que ela fazem é gerenciar as condições necessárias para se criar e trocar novos conhecimentos, favorecendo o processo de inovação, tão necessário para a sustentabilidade.

Mas para que a gestão do conhecimento algo muito importante é investir na geração e divulgação do conhecimento atravez de pesquisas,estudos,e aulas fazendo com que se torne uma instituição reconhecida como geradora de conhecimento próprio.Assim, a instituição estará trabalhando de forma proativa, dinâmica e engajada ao objetivo – Gestão do Conhecimento.

ulguns pontos podem ser considerados no intuito de reconhecer se uma empresa tem uma gestão voltada para o conhecimento:


▪ Tornar acessíveis grandes quantidades de informação organizacional, compartilhando as melhores práticas e tecnologias;
▪ Permitir a identificação e mapeamento dos ativos de conhecimento e informação ligados a qualquer organização, seja ela com ou sem fins lucrativos (Memória Organizacional);
▪ Apoiar a geraão de novos conhecimentos, propiciando o estabelecimento de vantagens competitivas;
▪ Dar vida aos dados tornando-os utilizaveis e úteis transformando-os em informação essencial ao nosso desenvolvimento pessoal e comunitário.
▪ Organiza e acrescenta lógica aos dados de forma a torná-los compreensíveis.
▪ Aumentar a competitividade da organização através da valorização de seus bens intangíveis.






Vantagens

A Produção de informações

Produzimos mais dados e informações do que somos capazes de sintetizar

Um dos Maiores problemas que enfrentamos, hoje, não é a falta, mas o excesso de informações disponíveis

Desvantagens


Principais Barreiras:

▪ A "Cultura Organizacional"
▪ A natureza do Ativo Conhecimento (intangível)
▪ A dificuldade em mensurar o valor do conhecimento
▪ A necessidade de compartilhamento
▪ O "mercado" do conhecimento
▪ A "transferência" do conhecimento
▪ Critérios diferenciados de reconhecimento
▪ A velocidade das mudanças

Gestão do conhecimento é uma necessidade

A passagem do século XX para o XXI trouxe consigo inúmeras mudanças, e elas aconteceram nas mais diversas áreas do conhecimento. Entretanto, observaram-se mudanças contundentes nas áreas econômica, política, social, tecnológica e cultural. Com estas mudanças, as sociedades passaram a se readaptar aos novos cenários, entrando em uma época de modernidades, onde a informação é força motriz dentro de um novo paradigma que se convencionou chamar de sociedade do conhecimento.
Na sociedade do conhecimento, a tecnologia ruge de forma intensa e dá a cadência ao desenvolvimento em vários setores, principalmente os econômicos, mas outros são afetados com maior ou menor intensidade. Nesta sociedade, dados e informação são utilizados de forma relevante pelo trabalhador do conhecimento que atua frente a conjunturas definidas e procura resolver os problemas com eficiência para a organização.
Davenport (2006, p. 10) enfatiza que os “trabalhadores do conhecimento têm níveis elevados de expertise, escolaridade ou experiência e seu objetivo principal no trabalho envolve a criação, a distribuição ou a aplicação do conhecimento.”
Desta forma, este trabalhador procura superar as adversidades através do elevado conhecimento das situações que circundam os problemas da instituição.
Dentro desta perspectiva, o capital intelectual das organizações deve ser minerado e lapidado pelas instituições. O investimento no corpo funcional deve ser constante e ser desenvolvido da base ao topo da instituição. Todos devem estar imbuídos do principal objetivo da instituição e agir para atingir este objetivo.
Entretanto, para atuar de forma intensiva e trazer benefícios à organização, a gestão do conhecimento é necessária para o trabalhador do conhecimento e, consequentemente, para a organização. Para explicitar uma definição sobre gestão do conhecimento, pode-se utilizar a definição de Terra (2006, p. 3), onde se lê que:
Gestão do Conhecimento (GC) significa organizar as principais políticas, processos e ferramentais gerenciais e tecnológicos à luz de uma melhor compreensão dos processos de geração, identificação, validação, disseminação, compartilhamento, uso e proteção dos conhecimentos estratégicos para gerar resultados (econômicos) para a empresa e benefícios para os colaboradores internos e externos (stakeholders).
Terra (2003) coloca que a GC deve gerar resultados econômicos para as empresas, mas, se transportarmos o conceito para a esfera pública, a eficiência no serviço público prestado ao cidadão é o ponto fundamental.
Por este prisma, a CG tem como escopo gerar um ambiente ágil para resolução de problemas, aumentar a competitividade, disponibilizar serviços com eficiência, reformular processos inadequados e mudar a visão estratégica, tática e operacional das organizações, sejam elas públicas ou privadas. A figura 1 dá uma ideia mais abrangente dos objetivos da GC.

Este novo paradigma mudou e vem mudando drasticamente a atuação dos países, dos estados, dos municípios, das empresas e das organizações, atingindo, sem distinção, as esferas pública e privada no mundo. As organizações que se adequaram estão à frente no processo e se tornaram mais competitivas enquanto empresas privadas; e, eficientes, enquanto órgãos públicos.
É importante destacar que conhecimento é fundamental para todas as organizações, mas, sem uma gestão eficiente desse conhecimento, ele pode tornar-se um problema, pois informação demais sem a devida organização é também desinformação.

Fonte: SILVA, Edson Rosa Gomes da. Gestão Integrada de Segurança Pública. In: SILVA, Edson Rosa Gomes da; RUSCHEL, Aírton José; BARBI, Eron. Material didático on-line da disciplina Análise Criminal e Gestão Estratégica em Segurança Pública do Curso de Especialização em Gestão Integrada da Segurança Pública. Palhoça: UnisulVirtual, 2010

terça-feira, 8 de junho de 2010

A gestão do conhecimento na prática

A conhecimento no atual mundo dos negócios. Mas como empresas brasileiras encaram esse conceito e o traduzem em seu dia-a-dia? Pesquisa inédita realizada com executivos de grandes organizações mostra que há avanços nessa área, porém restam "territórios a ocupar".

Paradigma da Gestão de Conhecimento na Prática

Estamos diante de um cenário de rara complexidade, no mundo corporativo e na sociedade em geral. Fenômenos econômicos e sociais, de alcance mundial, são responsáveis pela reestruturação do ambiente de negócios. A globalização da economia, impulsionada pela tecnologia da informação e pelas comunicações, é uma realidade da qual não se pode escapar.É nesse contexto que o conhecimento, ou melhor, que a gestão do conhecimento (KM, do inglês Knowledge Management) se transforma em um valioso recurso estratégico para a vida das pessoas e das empresas. Não é de hoje que o conhecimento desempenha papel fundamental na história. Sua aquisição e aplicação sempre representaram estímulo para as conquistas de inúmeras civilizações. No entanto, apenas "saber muito" sobre alguma coisa não proporciona, por si só, maior poder de competição para uma organização. É quando aliado a sua gestão que ele faz diferença. A criação e a implantação de processos que gerem, armazenem, gerenciem e disseminem o conhecimento representam o mais novo desafio a ser enfrentado pelas empresas. Termos como "capital intelectual", "capital humano", "capacidade inovadora", "ativos intangíveis" ou "inteligência empresarial" já fazem parte do dia-a-dia de muitos executivos.O conceito de gestão do conhecimento parte da premissa de que todo o conhecimento existente na empresa, na cabeça das pessoas, nas veias dos processos e no coração dos departamentos, pertence também à organização. Em contrapartida, todos os colaboradores que contribuem para esse sistema podem usufruir de todo o conhecimento presente na organização.
Artigo publicado na Revista HSM Management 42 janeiro-fevereiro 2004

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Focos de Ação Relacionados a Gestão do Conhecimento


A Gestão do conhecimento no ambiente empresarial apresenta os alicerces através das decisões e compromissos da alta administração a respeito das iniciativas necessárias em termos de:

  • Desenvolvimento estratégico e organizacional: A Gestão do conhecimento implica, necessariamente, o desenvolvimento de competências inter-relacionadas nos planos estratégicos, organizacional e individual. É difícil imaginar uma sólida estratégica corporativa que não coloque a aquisição, o desenvolvimento e a manutenção de habilidades e competências individuais e coletivas como ponto central para o sucesso competitivo;
  • Investimento em infra-estrutura tecnológica: É evidente que tecnologias de comunicação facilitadoras do compartilhamento de conhecimento explícito e implícito fazem parte da Gestão do Conhecimento. O uso das tecnologias ainda não é suficiente. A Gestão do Conhecimento focada prioritariamente nos investimentos em infra-estrutura tende a resultar em fracassos, pois conhecimento é informação interpretada, o que faz com que a simples transferência de informação não aumente o conhecimento ou a competência. Parece-nos, por outro lado, que um dos principais benefícios dessas tecnologias é o próprio aumento da conectividade entre as pessoas da organização e mesmo uma redução dos problemas de comunicação entre diferentes níveis hierárquicos.
  • Cultura organizacional: Sem um ambiente que torne o aprendizado, a colocação e o compartilhamento de conhecimentos (tácitos ou explícitos) parte do dia-a-dia de todos os funcionários, as estratégias corporativas e os investimentos em infra-estrutura dificilmente atingirão seus objetivos relacionados ao desenvolvimento e à alavancagem dos vários níveis e formas de conhecimento organizacional. O monitoramento do ambiente e o constante aprendizado e desenvolvimento de competências, incluem:

o As pessoas se sentem estimuladas pelo próprio trabalho;
o As pessoas conversam uma com as outras, incluindo aquelas de diferentes níveis hierárquicos;
o As pessoas têm tempo para aprender;
o As pessoas não estão focadas apenas em sua área de trabalho e no curto prazo;
o Os muitos indicadores de resultados são amplamente divulgados.

A Gestão do Conhecimento tem um caráter universal, ou seja, faz sentido tanto para empresas de setores tradicionais como para empresas em setores de ponta; tanto para empresas em setores primários como para empresas em setores manufatureiros ou de serviços. Além disso, não se limita, por exemplo, ao chão de fábrica, ao departamento de novos produtos ou a áreas em contato com os clientes.
Podemos concluir que a efetiva Gestão do Conhecimento no ambiente empresarial requer:

  • A criação de novos modelos organizacionais (estruturas, processo, sistemas gerenciais);
  • Novas posições quanto ao papel da capacidade intelectual de cada funcionário;
  • E uma efetiva liderança, disposta a enfrentar, ativamente, as barreiras existentes ao processo de transformação.

    Bibliografia: Gestão do Conhecimento – O Grande desafio empresarial
    Autor: José Cláudio Cyrineu Terra
    Negócio Editora

domingo, 6 de junho de 2010

Faça o que tem de ser feito e não somente o que lhe pedem







O livro é uma ferramenta inspiradora e motivadora tanto para diretores e gerentes quanto para empregados, um recurso útil para qualquer departamento de recursos humanos e um inestimável investimento para todos que desejam vencer na vida.
O Autor mostra o que cada um de nós precisa fazer para assumir as rédeas do seu emprego , da sua carreira e da sua vida.
É preciso ter garra, para enfrentar sacrifícios e obstáculos, determinação, para manter o foco e coragem, para mudar e enfrentar esse desafio, o que move as pessoas de sucesso, buscando informações da profissão, desenvolvendo-se, aperfeiçoando-se, é o que faz a diferença.
Portanto, para se ter sucesso é necessário a busca constante do conhecimento.





Livro: Faça o que tem de ser feito
Autor: Bob Nelson
Editora: Sextante


sexta-feira, 4 de junho de 2010

livro para referencia


http://http//www1.serpro.gov.br/publicacoes/gco_site/index.htm
Este livro tem pormenores sobre o tema é muito bom para leitura.

Componentes do grupo

Arhiana Marques
Barbara Cristina de Souza Galvão
Denis Mendes Vasconcelos
Eliani Bastreghi
Erica Pavanelli
Marcelo Rocha Motta
Marcelo Obis
Patricia da Silva
Regiane Silva dos Santos
Ronaldo Pereira da Silva





terça-feira, 1 de junho de 2010

Disciplina: Teorias da Administração




Solicitado por Profº Hercules Ezequiel Zardiole


Disciplina: Teorias da Admininstração